icn-close
icn-phone
(+351) 289 315 235
geral@jf-quarteira.pt
icn-fb
Facebook
HOME

Quarteira Beach Sports vence com esforço e dedicação

2017-06-20

Associação ganhou confiança e condições para organizar outros eventos de grande dimensão.

Foi o maior desafio até agora. Organizar o estágio e os dois jogos de preparação da seleção nacional para o Campeonato do Mundo de Futebol de Praia/2017, deu trabalho mas também uma projeção inesperada à Quarteira Beach Sports. João Romão, 35 anos, professor de educação física e presidente da associação, realça a dimensão do evento e a experiência adquirida, que permitirá ao clube avançar no futuro para outras provas à mesma escala.

“Foi uma responsabilidade enorme pois tivemos de trabalhar no sentido de garantir todas as condições que não tínhamos inicialmente, para que, durante o estágio, atletas e toda a comitiva pudessem preparar-se para o campeonato”, reconhece o dirigente, para sublinhar a importante intervenção do vice-presidente do clube e jogador da seleção nacional, Rui Coimbra, na vinda da formação para o Algarve.
“Sem o Rui isto dificilmente teria sido possível, porque é difícil chegar a um organismo com a dimensão da Federação Portuguesa de Futebol. O Rui foi um elemento bastante facilitador ao estabelecer os primeiros contactos e depois a Federação confiou em nós e acho que demos uma excelente resposta ao desafio”, revela João Romão, para quem a vinda da seleção nacional, campeã do mundo em 2016, representou uma mais-valia para Quarteira e para uma modalidade que ganha cada vez mais adeptos entre os mais jovens.

Jogos na areia
A reforçar esta paixão, o novo campo de futebol de praia serve, não apenas a prática na areia, como os próprios objetivos da Quarteira Beach Sports.
“O ideal da nossa associação sempre foi a dinamização dos desportos de praia, mas há sempre dificuldades durante o período mais frio. O campo torna a prática mais aliciante e, aliado à vinda da seleção, têm surgido novos miúdos para jogar e pessoas a querem experimentar a modalidade”, frisa João Romão, confiante na futura participação de uma equipa de Quarteira no campeonato nacional de futebol de praia.
A par desta, outras modalidades desenvolvidas pela associação têm registado forte evolução, como o futvólei e o voleibol de praia. Para o dirigente algarvio, o objetivo é fidelizar o projeto do clube, apesar de serem práticas sem grande historial na cidade.

“Temos de trabalhar no sentido de aumentar o número de praticantes, trazendo eventos para a cidade como a etapa do campeonato nacional de futvólei, que vamos organizar pela terceira vez, e torneios relacionados com o voleibol de praia”, sustenta, para realçar a necessidade de mais apoios que permitam continuar a desenvolver estas atividades.
“Uma associação como a nossa necessita de apoio para organizar estes eventos e tem sido com imenso trabalho e dedicação que temos conseguido, pois a nossa associação é recente e sem capacidade financeira para organizar grandes provas”, reconhece João Romão, para salientar o apoio da Câmara Municipal de Loulé, de alguns parceiros locais e da Junta de Freguesia de Quarteira que tem sido o principal suporte na realização dos eventos promovidos pela associação. “Os apoios são sempre limitados mas o nosso desafio é: quanto mais apostarem em nós, mais eventos e de melhor qualidade poderemos organizar”, promete o atleta.


 Sempre a crescer 

A Quarteira Beach Sports nasceu pela iniciativa de um grupo de amigos, cansados de “fugir” à Polícia Marítima, sempre que ocupavam o areal da praia Rosa Branca para jogar futvólei sem autorização. Conscientes da necessidade de legalizarem a prática, decidiram constituir uma associação sem fins lucrativos para a promoção de atividades desportivas e recreativas, que tem vindo sempre a crescer. Atualmente conta com secções de futvólei e de voleibol (que desenvolve atividades em pavilhão e na praia), de futebol de praia e de beach tennis. Para breve está a criação de uma secção de andebol de praia. “Estamos sempre abertos a novas ideias e desafios relacionados com as modalidades de praia”, refere João Romão que manifesta forte confiança no regresso da seleção nacional de futebol de praia a Quarteira e também na vinda de outras formações internacionais.


Dois atletas da Quarteira Beach Sports responderam ao Boletim de Quarteira sobre questões relacionadas com o desporto de praia e a importância da vinda da seleção nacional ao Algarve. Bernardo Batalha e Pedro Bernardo revelaram-nos o que significa para eles fazer parte desta associação e a importância que teve o estágio da seleção. Os dois jovens pronunciaram-se ainda sobre o futuro do futebol de praia no nosso País, falaram do que falta aos clubes para projetarem mais as modalidades ao ar livre e apontaram os principais obstáculos às modalidades de praia.

Bernardo Batalha - 15 anos, estudante
“Fazer parte desta associação é importante para mim pois ajuda-me na prática do futebol escolar. Sinto que adquiri uma grande responsabilidade ao participar na organização do estágio da seleção. Este evento foi uma porta que se abriu para ganharmos mais fama e ajudas e podermos realizar outros eventos e atrair mais atletas para o desporto de praia. O nosso maior obstáculo é o clima, pois o vento e a chuva não favorecem muito as práticas ao ar livre. Julgo que estas são modalidades com futuro pois temos as condições necessárias. O que por vezes falta aos clubes é a força de vontade e divulgação do trabalho que desenvolvem.”

Pedro Bernardo - 27 anos, bagageiro
“A vinda da seleção foi uma coisa boa. Estamos numa cidade pequena e ajudou a transmitir a nossa imagem para o resto do País e a motivar os mais novos para os desportos de praia. A solução para o nosso principal obstáculo, que é o clima, seria uma área indoor. Em termos de futuro do futebol de praia, face aos bons resultados que a seleção tem tido, creio que é possível haver clubes mais pequenos a investir na modalidade e a criar novas ligas e campeonatos, para fomentar a competitividade e formar jogadores. Em Quarteira temos qualidade, capacidade e infraestruturas para isso. Quanto à projeção destas modalidades, creio que falta um bocadinho de confiança aos clubes. Mas se houver investimento, com treinos regulares, será muito fácil incentivar os jovens e garantir a sua evolução.”

© TOPPING CREATIVE STUDIO